À conversa com David Coelho

b_200_0_16777215_00_images_stories_noticias_newsletter_aconversacom_dfcoelho201610_2.jpg

Depois das vitórias deste ano no Campeonato Regional e Nacional de Veteranos +40, estivemos à conversa com David Coelho, atleta do CTPL, que nos contou o seu segredo para esta revalidação do título nacional e muito mais...


Depois do título de Campeão Regional, este título de Campeão Nacional terá sido a "cereja no topo do bolo" desta época? Qual o segredo para estes resultados?

Sem dúvida o título de campeão nacional é a cereja no topo do bolo, era o que eu mais ambicionava para este ano. Ser campeão nacional pela 2ª vez, enche-me de orgulho.
Na minha opinião o grande segredo é a dedicação e a vontade de vencer, entrar em campo com a certeza que é possível derrotar o adversário seja ele quem for.

Conciliar a atividade de treinador e jogador nem sempre é fácil. Onde vai buscar a força e determinação para o conseguir?

Realmente é difícil ser treinador e conseguir resultados como jogador, mas tenho uma família que me dá muita força e apoio nos torneios, e que entende a minha ausência em épocas mais complicadas.

Quais foram os objetivos a que se propôs para esta época 2015-2016? E para a próxima?

Esta época não fiz muitos torneios, pensei realmente só em ser campeão nacional, foi esse o meu foco. Em relação à época que vem, espero participar pelo menos em 10 torneios, ficar no Top 10 do escalão +35 e voltar a conseguir o título de campeão nacional, sabendo que o ano que vem será mais difícil.

Quem foi/é o adversário mais difícil que enfrentou nesta época 2015-2016? E porquê?

O adversário mais difícil este ano foi o Nuno Topa, joguei com ele um jogo de inter-clubes e ganhei. Sem dúvida um bom jogador e um adversário difícil.
 
Na sua opinião, quais são os melhores e os piores aspetos de ser um jogador de ténis?

Para mim a grande diferença entre os bons jogadores está na capacidade de foco, determinação e obviamente resistência física, porque na técnica existem vários ao mesmo nível.
 
Há outros membros da sua família a praticar desporto? E ténis?

Sim, o meu pai joga desde a altura em que eu comecei e a minha filha também já joga e gosta muito.
 
Como começou no ténis?

Comecei a jogar ténis com 7 anos. No início tinha aulas aos sábados num grupo e às quartas em aulas individuais. Em seis meses passei para os treinos de pré-competição e depois competição, altura em que treinava todos os dias.
 
Quem foram/são os seus ídolos de ténis?

O jogador que mais admiro é o John McEnroe, para mim o melhor de sempre.
 
Qual é a sua melhor memória de ténis, quer como jogador, quer como fã?

A minha melhor memória foi o dia em que consegui o título de Campeão Nacional pela primeira vez, era um objetivo desde sempre.
 
Fora do court de ténis tem outros interesses?

Fora do court gosto de estar com a minha família, viajar, passear de mota, estar com amigos, no fundo as coisas boas da vida.
 
Por fim, diga-nos algo sobre si mesmo que, possivelmente, poucas pessoas saibam?

Uma coisa que poucas pessoas sabem... Amo a minha mulher!!!


Torneios Oficiais 2017